segunda-feira, 27 de março de 2017

P896: A RECRUTA DO JERO

ANO DE 1962 – UM VERÃO BEM QUENTE !

Esta fotografia de grupo recorda-me muita coisa e não é nada nova. Corresponde ao final da minha recruta em 30 Setembro de 1962 do C.S.M. na Escola Prática de Cavalaria, em Santarém. 3º. Esquadrão - 4º Pelotão.
Tinha – e tenho – uma mania que herdei do meu saudoso Pai. Escrever no verso das fotografias as datas e o nome das pessoas que constam das ditas. Esta foto tem portanto 55 anos e “apanha”, em diversos planos, 33 indivíduos !

Engloba os instrutores (um oficial, o Aspirante Tomás, o Furriel Teixeira, o 1º. Cabo miliciano Martins e o 1º.Cabo 52) e 29 recrutas. Como era costume ao tempo muitos recrutas eram conhecidos e tratados pelos nomes das suas terras de naturalidade.

Havia rapaziada de Lisboa, Oliveira de Azeméis, de Cabo Verde, dos Açores, de Viana do Castelo, de Santarém, de Odivelas, de Freixo de Espada à Cinta, de Alcobaça, de Vila Real de Santo António, de Figueira da Foz, de Viseu, Leiria e Viana do Castelo. E também muita malta com alcunhas. Mas não as vou referir pois afinal constam da identificação que está nas “costas” da minha fotografia e que passo a referir com a secreta esperança de que alguém que venha a ler o nosso blog se “reconheça” e diga coisas…


 Em 1º. Plano, de cócoras(da esquerda para a direita): José Manuel (Lisboa), S. Silva, João “Grande”(Lis­boa),Eduardo “Bailarina” (Oliv. Azemeis), Évora (Cabo Verde), Furriel Teixeira (Santarém), Vasconcelos (Açores), “Nódoa”, “Viana do Castelo” e Gustavo (Açores).
2ª. fila(de pé): David (reg. agrícola - Santarém), Rijo, Natal (Lisboa), Eduardo “Cardíaco” (Odivelas), 1º.Cabo 52, Rocha (Freixo de Espada à Cinta), Aspirante Tomás, 1º. Cabo Milº. Martins, Viegas(Lisboa), José Eduardo (Alcobaça), “Professor” e “Gordinho”.
Em cima do tanque: “Agrícola”(Santarém), Correia “Peixe-Espada”(Vila Real Stº.António), “Figueira da Foz”, Rui (Lisboa). De pé: “Carteiro”, Ricardo (Viseu), “Plantão” (Açores), “Leiria”, 406 (Viana Cast.) e Esteves.
  
Deixámos de ser civis em 31 de Julho - a incorporação deu-se em 1 de Agosto – e dois meses depois éramos convictamente militares. No meu caso 2 meses e 12 quilos a menos…


José Eduardo Reis de Oliveira, Grupo sanguíneo «A»
Número de matrícula 1961/G/1399, Classe 1962
Arma ou serviço – Serviço de Saúde
Altura 1m,74. Alistado em 8 de Agosto de 1960
Incorporado em 1 de Agosto de 1962 .
Pronto da escola de recrutas em 30 de Setembro de 1962.
Tiro de carreira – Esp. Mauser n/947 – 3ª. classe.

Vou tentar transmitir algumas das memórias que ficaram depois de 55 anos passados. Mas desta fase da minha vida nem tudo são números e categorias pois nos intervalos da instrução também conseguíamos ter algumas “imagens”, que vou tentar recordar.

A entrada e recepção na parada do Quartel foi assustadora. Ainda estávamos vestidos à civil e já éramos tratados abaixo de cães. Estava à nossa espera o Comandante do Quartel, Ten. Coronel Homero de Oliveira Matos, que nos insultou de alto abaixo.

Nunca mais esqueci o momento nem a cara do dito senhor. A esta distância do tempo e depois de toda a experiência que passei ao longo dos 4 anos de vida militar que cumpri, não tenho dúvida nenhuma em afirmar que não era por um Chefe como aquele que eu daria “o peito às balas”…

Mais tarde e quando já em plena recruta tivemos por perto os nossos instrutores esse sentimento de “ódio visceral” atenuou-se e desapareceu mesmo. O Aspirante Tomás e o Furriel Teixeira levavam-nos ao “sacrifício” sem deixarem de nos tratar como gente.

Os trabalhos de estrada eram difíceis devido principalmente ao calor do Verão de Santarém, mas em cada dia que passava nos sentíamos mais preparados.

A comodidade das casernas no entanto não nos ajudava, nomeadamente quando, durante a noite  éramos “atacados” por percevejos… Passei longas horas a esfregar-me com álcool - que comprei numa farmácia da cidade - depois do toque de ordem, sem conseguir vislumbrar o “inimigo”.

Nos fins de semana quando vínhamos a casa conseguíamos recuperar alguma coisa, mas que foram 2 meses bem compridos não haja dúvida !

A comida no quartel era muita má e passei muito dias esfomeado porque não conseguia comer nada ao almoço. E não era só eu. Conseguíamos recuperar as forças depois da saída do quartel ao fim da tarde, comendo à nossa custa, está claro.

Tivemos um dia especial quando durante um trabalho de estrada passámos por uma vinha e “recolhemos” em marcha acelerada alguns cachos de uvas que nos souberam pela vida. O dono da vinha é que não achou muita piada ao nosso “golpe de mão” e apresentou queixa no quartel. Lá se foram à vida por alguns dias as nossos saídas à cidade depois do toque de ordem...

E finalmente chegaram ao fim os 2 meses da recruta.  Depois da fotografia com que iniciamos as linhas deste nosso testemunho despedimo-nos uns dos outros com abraços e lágrimas nos olhos.

E o abraço mais sentido foi ao nosso Aspirante Tomás que, uns 3 anos mais tarde, vim a encontrar numa operação na Guiné. Era então já Tenente. Cheguei-me a ele e disse-lhe que tinha sido seu recruta na EPC de Santarém. Que grande abraço trocámos!

São estas as boas recordações da vida militar…que chegaram à vida civil e nos continuam a acompanhar mais de meio século depois de acontecerem. No Verão quente de Santarém de 1962.

JERO   


sábado, 18 de março de 2017

P893: UMA ANÁLISE DO NOSSO CAMARIGO JOSÉ BELO...

INESPERADAMENTE, A MINHA PROFUNDA INVEJA DO AMIGO E CAMARADA MIGUEL PESSOA


O Miguel Pessoa na ida para uma missão
Hoje, ao começar o dia trocando alguns e-mails com o "Herr Överste" (Senhor Coronel em sueco) Miguel Pessoa, surgiu bruscamente no meu pensamento algo que até agora não tinha considerado com a devida atenção.

Nas conversas com antigos combatentes, sejam eles portugueses ou norte-americanos (também por lá vivo!), surge sempre a referência às frustrações sentidas quando se procura descrever aos familiares, amigos, ou simples conhecidos, as experiências e sentimentos de cada um aquando da passagem por teatros de guerra.

Sente-se sempre que este tipo de comunicação, na procura de explicações, sejam elas geográficas, sociais ou outras, é extremamente difícil de ser apreendido em todas as suas "variantes" por quem nos escuta.

Muitas vezes sente-se que não escutam... aparentam escutar!

A Giselda com a tripulação de alerta do AL-III
Isto sem se entrar em referências a situações concretas de combate, estas ultrapassam totalmente quem as não viveu.

Se a "comunicação" é difícil em Portugal, em famílias portuguesas, os que formam família no estrangeiro, com filhos quase automaticamente estrangeiros e com netos ainda mais estrangeiros que estes, torna as referências a uma guerra colonial como algo de pré-histórico... no melhor dos casos!

É sempre necessária infindável introdução quanto aos enquadramentos históricos e sociais, ao significado dos 400 anos de colonialismos vários, as consequências do longo período da ditadura no tipo muito específico de formação que, aos nascidos e educados nesses tempos, acabou por ser imbuída muito mais profundamente do que muitos hoje gostam de reconhecer.

Recuperação e evacuação do Miguel Pessoa, com o apoio da Giselda
MAS... no caso do Miguel Pessoa tudo é... diferente!
Casado com uma nossa Camarada de armas.

Uma evacuação atribulada da Giselda, com ida ao charco
Alguém que com ele COMPARTILHOU, no conjunto de difíceis situações de guerra, certamente inesquecíveis, mas (e principalmente!)... sem necessitarem das tais infindáveis explicações quanto a factos, quando, porquê e quem!

Confesso, mais uma vez, nunca ter pensado neste pequeno-grande "detalhe", em relação aos outros ex-combatentes.

Hoje em Portugal, em situação muito diferente quanto à paz e tipo de serviço militar, casamentos entre camaradas de armas não serão invulgares.

Mas... compartilhando o pior teatro de guerra das guerras de África, como o era a Guiné... ao mesmo tempo... nos mesmos locais... e em algumas situações incríveis... não haverá muitos... se alguns houver!

Será que em relação aos outros (a nós), tanto a Giselda como o Miguel terão consciência do privilégio que é esta não necessidade das tais tão limitativas "explicações"?

Um grande abraço do
José Belo


sábado, 11 de março de 2017

P891: COMENTANDO O ÚLTIMO ENCONTRO

CÁ ESTAMOS…

    Bons amigos e estimados camarigos

Manuel Frazão Vieira
Decidi, de caso pensado, intervalar no tempo e no espaço esta minha espontânea comunicação, publicitando-a entre o "terminus" do 59.º e último encontro da Tabanca do Centro, que teve lugar no passado dia 22/02/2017, e as novas inscrições para o próximo almoço, que há-de vir.

Não vou referir-me ao último encontro, já, tão bem apresentado e descrito, numa forma combinada entre a palavra escrita e a fotografia parcial ou de conjunto, mostrando quem é quem, quem está com quem, no grupo de quem. É agradável reconhecer, individualmente, todos os camarigos como parte integrante de um todo constitutivo de amigos da Tabanca do Centro. Isto, por obra, arte e paciência do Miguel Pessoa, cujo trabalho é sempre apreciado e louvável, como uma vez mais se verificou na última publicação da Revista KARAS de Monte Real, na edição mensal de Fevereiro 2017.

Digo, no entanto, e não posso deixar de o referir, que o 59.º encontro foi muito concorrido, incluindo caras novas, e ao que me pareceu, com inscrições tardias, para além do dia aprazado e tão publicitado para o efeito. Penso dever ser, cuidadosamente, observada, por razões óbvias, a data-limite da inscrição, nomeadamente, por motivos de logística que é preciso controlar. Certamente, que um eventual descuido, no futuro, se irá repetir, não fossemos nós filhos do tempo e das circunstâncias do próprio tempo. É bom respeitar e cumprir com prazos pré-estabelecidos. Daí que, seja importante e saibamos controlar o tempo, o nosso tempo, o nosso espaço, porque são nossos e com eles e neles co-habitamos.


A minha memória visual, apesar de tudo, ainda se vai mantendo fiel às origens, tornando-se num razoável instrumento de auxilio e de suporte de imagem de pessoas, coisas, momentos e espaços, apesar de, ligeiramente, alquebrada e com momentos dúbios, mas, exercitada, cá vai desempenhando a sua genésica função.

Isto, a propósito, da presença de novos camarigos, no último almoço-convívio. Não eram muitas as caras novas e nem sei quantos eram. Sei que vieram alguns pela primeira vez e ao cumprimentá-los não constavam da minha base de dados visual e mental, nem o seu formato somático me era familiar. Além disso, as suas reacções comportamentais iniciais e sociais revelavam novidade, curiosidade e uma pronta disponibilidade e abertura educadas para um livre acesso e enquadramento presencial na grande família da Tabanca do Centro.

Desde logo, notava-se nos novos camarigos uma presença expectante e curiosa envoltas numa manifestação exterior, na forma como comunicavam e se relacionavam que dava para aferir a diferença de atitudes entre um ex-combatente da Guiné acabado de chegar pela 1.º vez, "piriquito", ao café Central, na Rua de Leiria, em Monte Real e o comportamento de um camarigo já "velhinho", experiente e habituado com maior ou menor regularidade ao almoço-convívio da Tabanca do Centro.


Estas reacções iniciais, acontecem em qualquer outra situação nova de apresentação, seja em que cenário for, e são reflexo da maneira como reagimos às coisas ou situações que nos surjam, pela primeira vez. É isto que nos define como pessoas.

A presença assídua e renovada de muitos ex-combatentes na Tabanca do Centro são o íman da sua continuidade. Vale a pena. É que o tempo passa e a memória das pessoas e coisas vai-se esvaindo no próprio tempo, no crepúsculo da vida de um passado histórico e pessoal que a idade consumiu. Fica-nos o sonho e a saudade daquilo que, ainda, nos resta, se, para tanto, a incerteza ou a benevolência da vida o permitir.

Abraços
Manuel Frazão Vieira


quarta-feira, 8 de março de 2017

P890: HISTÓRIAS CURTAS DAS TERMAS DE MONTE REAL - 8

RECOLHA FALHADA…
  
Há muitos anos, quando a Linha do Oeste era a principal via de transporte para chegar a Monte Real, o Hotel Monte Real enviava sempre um motorista e/ou um recepcionista para recolherem os hóspedes na estação de caminho de ferro e os transportarem até ao Hotel.

Um dos motoristas que costumava fazer esses serviços, era uma pessoa estimada em Monte Real, e conhecida pelo seu humor, pelas suas respostas rápidas e desconcertantes.

Não o vou identificar aqui, mas as pessoas de Monte Real, com alguma idade, sabem muito bem de quem se tratava. Infelizmente já não está entre nós.

Conta a história que um dia lhe foi pedido para ir à estação buscar o filho de uma hóspede que estava no Hotel.

As recomendações da senhora foram tantas, explicando que o filho era um conhecido bailarino, muito famoso, e mais isto e aquilo, que não seria possível qualquer engano na recolha de tão “ilustre” passageiro.

Pois o referido motorista lá foi à estação e lá voltou para o Hotel … sozinho!!!

A senhora indignada perguntou-lhe como era possível ele não ter encontrado o seu filho, um bailarino tão famoso e conhecido.

Ao que o motorista lhe respondeu de imediato:

Minha senhora, os passageiros desceram do comboio, mas eu não reconheci ninguém, pelo que assobiei uma das minhas melhores árias!
Como ninguém dançou, calculei que o filho de vossa excelência tivesse perdido o comboio!!!

Poderão não ser estas as palavras exactas, visto que já lá vão muitos anos, e a história já foi contada e recontada milhares de vezes, mas o humor da resposta continua vivo!

Joaquim Mexia Alves

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

P887: REVISTA "KARAS" DE FEVEREIRO



Aproveitando o sol convidativo, os lugares na esplanada exterior do Café Central foram rapidamente ocupados. O Aníbal Tavares, Carlos Morte e Cláudio Moreira por acaso até nem têm sido dos mais assíduos, mas lá vão aparecendo...


O Manuel Mendes e esposa Lina aproveitaram a presença da filha Cassandra, vinda de Inglaterra com o namorado Samuel, e integraram-nos neste nosso convívio.


Dois participantes habituais - o Manuel "Kambuta" Lopes e o António Pimentel - fazem de comissão de recepção a três estreantes - António Saraiva, Armando Faria e Armando Cró Braz.


O grupo do Núcleo de Alcobaça da Liga de Combatentes trazia duas novas aquisições, o Joaquim Romão e o António Justiniano. Encobertos, dois repetentes - o Amadeu J. Ferreira e o Paulo Laranjo. Estão acompanhados por dois "veteranos" nestes encontros - o Juvenal Amado e o Almiro Gonçalves. 


O Mário Ley Garcia, ex-Presidente do Núcleo de Leiria da Liga de Combatentes, apadrinhou a presença de dois elementos actualmente em funções naquele Núcleo - o estreante Jorge Marto Silva (actual Presidente) e o repetente António Tenreiro (actual tesoureiro).


O grupo de Aveiro vinha à carga máxima com os seus quatro elementos. A disposição na mesa não permitia um enquadramento de todo o grupo; vemos aqui o Carlos Augusto Pinheiro, José Luís Malaquias e Carlos Prata (que tem andado um pouco arredado)...


...estando do outro lado da mesa o Manuel Reis, ladeado pelo Rui Pedro Silva. Desde que passámos os encontros para as 4ªs feiras o Rui não tem falhado nenhum, talvez para compensar as ausências anteriores decorrentes de impedimento profissional.


O Artur Soares veio da Figueira e o Xico Allen lá mais de cima. Com o Xico sucedeu um erro de percepção - coisa muito em voga actualmente... É que não basta dizer a alguém que tem a intenção de vir, é preciso inscrever-se... Mas a situação compôs-se a tempo...


Cá está então o grupo do núcleo de Alcobaça inscrito pelo Mário Marques - O Amadeu J. Ferreira, Paulo Laranjo, António Justiniano e Joaquim Romão. 


Será que o Kambuta arranjou um part-time como complemento da reforma?... Bom, afinal parece que alguma coisa ali deve ter caído...
E, na ausência do Paulo Moreno, o Carlos Santos entrega ao Miguel Pessoa os aventais da Tabanca do Centro que alguns camaradas tinham encomendado ao Paulo. O Raul Santos vigia a zona, não vá algum malandro fanar o material...



O António Pimentel e o Armando Cró Braz são velhos conhecidos dos tempos do liceu e encontraram-se agora neste nosso encontro. Aqui põem a conversa em dia. E o Armando já nos referiu o agrado pelo ambiente vivido e a vontade de repetir proximamente. Pelo menos a boleia já lhe garantimos...



E estava na hora de avançar para o almoço, ali bem próximo do Café Central. O passeio dá para ir mantendo uma conversa - o Joaquim Mexia Alves com o Domingos Santos, o António Pimentel com o Armando Cró Braz. O António Tenreiro e o António Frade, esses já vão mais adiantados...



A sala do almoço apresentava uma disposição diferente do anterior, com mesas para 10 pessoas, ao lado umas das outras. A nova arrumação agradou à generalidade dos presentes, pois permitia uma boa circulação pela sala. Em primeiro plano vemos o Diamantino Ferreira, que tem sido bastante regular nas suas presenças. A Giselda, sempre das últimas a chegar à sala, ficou afastada do Miguel Pessoa mas bem encaixada no meio do casal Gaspar...



Embora viesse desfalcado (dos habituais faltavam o Lúcio Vieira e o Manuel Ramos) tivemos que mostrar duas fotografias para apresentar todo o grupo de Torres Novas. Neste lado da mesa vemos o Joaquim Henriques partilhando a mesa com os manos Manuel e João Rodrigues e o Carlos Morte...



...e, do outro lado da mesa, ao fundo, o Carlos Pinheiro e o Alexandre Fanha. Em primeiro plano, o Aníbal Tavares, Cláudio Moreira e Fernando Faustino.



O Rui Marques Gouveia e o cunhado José Jesus Ricardo têm sido presença habitual nos nossos encontros, embora desta vez a inscrição tenha surgido em cima do gongue...
A Maria Arminda Santos tem tido dificuldade em compatibilizar a sua vida pessoal com os nossos convívios, mas desta vez conseguiu estar presente. E, mesmo longe, tem sido visível o acompanhamento que faz das nossas actividades através dos comentários inseridos nos postes publicados no nosso blogue.



Desta panóplia de participantes apenas o Júlio Martins Baltazar - inscrito pelo Mário Ley Garcia - era já cara conhecida, os restantes eram estreia absoluta: Casimiro Soares Mendes, Francisco Caetano, Armando Faria e António Saraiva, todos inscritos pelo Armando.



Aguardamos a vinda de mais textos da parte do Manuel Frazão Vieira, que parece ter tomado o gosto pela sua presença entre nós - não falhou nenhuma desde que apareceu... Vemo-lo aqui entre o José Jesus Ricardo e o Vitor Caseiro. Mais ao fundo, o António Sousa e o Raul Santos.



A Giselda aqui ao lado do Agostinho Gaspar, que comemorava a sua 59ª presença consecutiva (o pleno!). Ainda o Luís Branquinho Crespo e o José Miguel Louro, um dos camaradas da Linha.



O Baltazar Rosado Lourenço veio da Nazaré e, como de costume, foi dos primeiros a inscrever-se nos nossos encontros (neste caso particular, o primeiro). Aqui apoia a estreia do Joaquim Romão, que veio de Alcobaça.
O Kambuta desta vez pareceu-nos mais em forma que da vez anterior, mas a pose junto da "namorada" Hortense é a mesma do costume...



O Manuel Joaquim aproveitou a vinda à zona para mais uma vez estar presente. Faz aqui companhia ao Manuel Ferreira da Silva, Fernando Freitas Pinto e António Frade, todos estes presenças habituais nos encontros da nossa Tabanca.



O estreante Armando Cró Braz não quis deixar de levar prova da excelência do produto e arrecadou uma foto da travessa... Soubemos que a foto causou impacto em casa...
O grupo da Linha (ou das Linhas - Sintra e Cascais...) apresentava-se desfalcado pois contava apenas com 3 elementos. Já vimos noutra foto o José Miguel Louro, nesta estão o António Maria Silva e o Jorge Pinto, que se tinha encarregado das inscrições deste pessoal. Faltavam desta vez o casal Marques (António Fernando e Gina), que ficaram de "avós de serviço", e o Luís R. Moreira, sujeito a uma intervenção cirúrgica dois dias antes do almoço. Sabemos que já está em casa a recuperar, mas ainda bastante dorido nesta fase de convalescença. Os nossos votos de rápidas melhoras... desejando o seu rápido regresso ao nosso convívio!
E o Miguel Pessoa foi aqui apanhado com a mão na massa!... Mas tratava-se apenas de receber o pagamento dos aventais encomendados ao Paulo Moreno pelo António Marques e António Maria Silva...
E, a propósito de ausências, lembramos ainda o Vasco da Gama - que tem estado adoentado, situação que deve prolongar-se por mais umas largas semanas - e o JERO, a contas com uma festa de aniversário da netinha.



O Paulo Salgado e esposa Conceição estreavam-se nestes convívios, aqui junto do Xico Allen (que os inscreveu), Carlos Manata, Carlos Prata e Rui Pedro Silva. O Paulo teve ainda ocasião de divulgar um livro da sua autoria, recentemente publicado, "Guiné - Crónicas de Guerra e Amor".



Era chegada a hora de o Régulo da Tabanca fazer o seu habitual discurso de boas vindas aos participantes, em especial aos novatos. Ainda com uma referência particular ao seu amigo José Martins Carvalho, reputado geólogo a nível mundial, que se estreava nos nossos convívios.
Foi também referida a tendência de algum pessoal para as decisões de última hora nas inscrições, o que dificulta a vida dos organizadores... e da D. Preciosa, que tem outros utentes para apoiar, e necessita saber com alguma antecedência da disponibilidade da casa para receber esse pessoal.



O Presidente do Núcleo de Leiria da Liga dos Combatentes Jorge Marto Silva aproveitou a ocasião para entregar ao Joaquim Mexia Alves um "Diploma de Agradecimento" à Tabanca do Centro pelo apoio que a nossa Tabanca tem dado a combatentes carenciados, através da entrega ao Núcleo de donativos amealhados no decorrer dos nossos convívios.
Comparticipação modesta, diremos nós, mas que sempre poderá proporcionar um certo alívio a algum desse pessoal, em situações pontuais.
E o Miguel Pessoa posa para a foto com o grupo de Leiria, ostentando o referido Diploma, que podem ver mais em pormenor na imagem que se segue.



O Diploma de Agradecimento entregue pelo Núcleo de Leiria da Liga dos Combatentes



O Jorge Marto Silva era igualmente portador de uma "pomada" que serviu a alguns para acelerar a digestão do almoço, oferta que naturalmente foi apreciada por quem dela se serviu.
E para encerrar a sessão, o pagamento da despesa por parte de cada um dos presentes, para o que contámos com a colaboração competentíssima dos tesoureiros-maravilha Vitor Caseiro e Carlos Santos. Com a particularidade de nesta vez termos arrecadado umas interessantes dezenas de Euros para apoio aos combatentes carenciados.
A propósito desta última foto: Será que o Kambuta está a pedir desconto no almoço, dada a sua condição de "passageiro frequente"? Enfim, é só uma piada para o Manel... que o rapaz até gosta que apertem com ele...