segunda-feira, 23 de novembro de 2015

P728: DO AMIGO... DA ONÇA

CARTAS ANÓNIMAS

JERO
Nunca vi este tema ser tratado em "blogs" de ex-militares.

Devido às minhas funções de Enfermeiro lidei com um caso que nunca mais esqueci. Por ter sido um caso humano complicado mas também por estar envolvido um amigo. Amigo que passou um mau bocado na Guiné, "mau bocado" que se veio a reflectir na sua vida pessoal depois do regresso. Arrisco até a dizer que essa "carta anónima" terá influenciado toda a sua vida.
Mas vamos por partes.

Toda a gente sabe da importância que o correio tinha para os militares. Para a gente nova há que recordar que nesses velhos tempos não havia cabines telefónicas nos quartéis nem telemóveis nem nada que se parecesse! Havia aerogramas e cartas que nos chegavam uma vez por semana!

Na minha Companhia estabeleceu-se um calendário para os dias da semana que, sendo brincalhão, dizia tudo em relação ao assunto:

Domingo - Dia da Bandeira; Segunda-feira - Antevéspera do Correio; Terça-feira -Véspera do Correio; Quarta-feira - Dia do Correio; Quinta-Feira - Dia do São Comprimido*;  Sexta-Feira = Sexta-Feira e Sábado - Véspera do Dia da Bandeira e Saída do Correio.

(*Em relação ao Dia do São Comprimido recordo que se tomava resoquina para evitar o paludismo).

O correio chegava-nos “pelo ar” em sacos que eram atirados das avionetas para “dentro” dos quartéis.

Sobre o assunto encontrei um relato do Coronel Miguel Pessoa, que aqui transcrevo:

«Nas missões que levavam a efeito por todo o território da Guiné os pilotos sabiam da importância que a chegada do correio tinha para o pessoal exilado nos locais mais recônditos, por ser o principal (às vezes o único) elo que tinham com a civilização.

Sucedeu comigo por várias vezes quando voava no DO-27 que, sobrevoando o território no percurso para o aeródromo de destino, ao passar sobre um aquartelamento, era interpelado por um operador de rádio mais ansioso, de que geralmente resultava uma conversa
 encriptada, mais ou menos nestes termos:

- Águia, Águia (ó aviador), aqui 
XX (código do quartel), informe se tem Sierra (serviço) para este?

- XX, Águia, negativo

- OK. Confirme que não tem Charlie (correio) para este?
                                   
- XX, Águia, negativo

- OK, Águia, Óscar Bravo (obrigado), o Charlie (Comandante) manda uma Alfa Bravo (Abraço) e deseja um Bravo Victor (boa viagem)

- XX, Águia, um Alfa Bravo para vocês. Terminado.

E lá continuava eu para o meu destino deixando para trás um interlocutor desiludido.

Deve-se reconhecer que os SPM (Serviços Postais Militares) tinham em consideração, sempre que possível, a necessidade que o pessoal tinha de receber notícias fresquinhas - das famílias, das namoradas, dos amigos. Por isso, estava bem organizada a distribuição dos sacos do correio, de modo a embarcarem no primeiro avião disponível para o local.

Para além de embarcarem o correio de acordo com as missões planeadas, sempre que surgiam missões inopinadas (como as evacuações ou um transporte inesperado), as Operações do GO1201 alertavam os SPM e estes, sempre que possível, levavam à placa onde se encontrava o AL-III ou o DO-27 o correio para o aquartelamento em causa, por vezes também para outros aquartelamentos próximos, a quem o correio seria enviado por terra, a partir do primeiro.

Também por vezes os pilotos tinham a iniciativa de mandar embarcar os sacos de correio dirigidos a outros locais em que não iríamos aterrar, mas que sobrevoaríamos; claro que não se adequava levar encomendas frágeis, que se pudessem partir, pois a ideia era
 desembarcarmos o saco pela porta lateral quando passássemos a baixa altitude por cima da área do aquartelamento. Mas para o simples correio era uma boa solução de recurso, principalmente em locais isolados sem pista.

Enfim, foi tudo por uma boa causa, que era afinal a de mitigar as saudades dos nossos camaradas em terra por tudo aquilo que tinham deixado lá longe.»

Completado (mais ou menos) o contexto devido para o tema que dá o título a esta crónica, recordo que a melhor maneira de lidar com cartas anónimas era (é) ignorá-las. É tão óbvio que seria desnecessário referi-lo.

Mas numa situação de guerra a milhares de quilómetros da casa quem é que consegue ser tão cerebral?!

Não refiro pormenores pois não seriam exactos dado o muito tempo que entretanto se passou.

Faltavam cerca de 3 meses para o final da comissão. Em cada dia que passava sentíamo-nos mais perto de casa! Na qualidade de enfermeiro e de amigo fui procurado por um camarada que me confessou estar "arrasado" devido ao correio recebido no dia anterior. Uma carta anónima dum "amigo sem nome" dizia-lhe que a sua noiva não estava a respeitá-lo e que andava envolvida com outro homem!

Mais do que medicamentos o que aquele militar precisava era a de uma mão amiga no ombro. E teve-a.

Chegou o dia por que esperámos durante 2 anos e com os nossos corações entre angustiados e esperançosos atravessámos o Oio - sempre na expectativa de uma emboscada ou de uma mina - a caminho de  Bissau para embarcar no "Uige". Tudo correu bem e… cinco dias depois desembarcámos em Lisboa onde nos esperavam as nossas famílias, as namoradas e amigos.

Cada qual foi à sua vida. Durante o ano seguinte corremos Portugal inteiro para estarmos presentes nos casamentos de uns e de outros.

O meu amigo da "carta anónima" foi o último a casar nesta revoada de matrimónios dos ex-combatentes da Guiné. E não contraiu casamento com a "noiva da Guiné" mas com outra jovem que entretanto conheceu.

Os anos passaram e voltei a encontrá-lo várias vezes. Já pai de vários filhos, cada vez mais careca e barrigudo. E a partir de certa altura senti-o um homem só.

Ganhei coragem e pus-lhe uma mão no ombro.
"O que se passa contigo, pá?"

Ele olhou-me um bocado antes de responder e disse-me: - "Lembras-te da "carta anónima!? Não devia ter feito o que fiz. Ela era a mulher da minha vida… Bem gostava de saber quem foi o sacana que escreveu a tal carta. E sabes que ainda a guardo!"

Fiquei sem palavras. E depois de ele se afastar apeteceu-me dizer-lhe: Porque é que não a procuras?

Espero que ele - ou ela - nunca leiam este texto...

JERO

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

P727: UMA RECORDAÇÃO DA BA5

Pelas mãos do nosso camarada Paulo Moreno chegou-nos esta relíquia, uma história em Banda Desenhada incluída no Boletim da BA5, uma publicação editada periodicamente naquela Unidade, sendo este o nº 54, referente a Abril/Maio de 1984.

Esta BD tem a particularidade de ter sido desenhada pelo Sargento Agria, um militar da Unidade que estava colocado nas Operações do Grupo Operacional 51 (GO51) à data em que eu proprio desempenhei funcões na BA5 como Comandante do referido GO51.

Não tendo esta publicação no nosso blogue quaisquer intuitos comerciais, sinto-me à vontade para vos apresentar esta relíquia, com o que pretendo fazer uma modesta homenagem à Base de Monte Real, ao velhinho Sabre F-86 que ali operou durante muitos anos, e principalmente ao Sargento Agria, que lembro com saudade.

Onde quer que ele esteja, sei que apreciará esta singela recordação.


Miguel Pessoa





terça-feira, 17 de novembro de 2015

P726: DO MANUEL MAIA - 14

A FAINA

À mesa do café, pensando em nada,
fruindo de bom tempo na esplanada,
uns versos me lembrei de alinhavar...
p´ra vós "camarigagem", gente boa
que à volta da revista do Pessoa
escreve com prazer de assinalar...

Cria, ilustra, edita e gere
revista de grande impacto
um Pessoa que prefere
não valorizar o facto...


Lá longe, bem na linha d´horizonte,
veleiro cruza o mar mesmo defronte
à praia "Las Galletas" que é a minha...
Gaivotas acompanham o regresso
dos barcos "ganha-pão" que com sucesso
se encheram lá na faina da sardinha...

Na lota, algo ansioso, aguarda o povo
para aceder ao peixe, que de novo,
mercê da quantidade é mais barato...
Cirandam gatos catando festim
que as tripas, as espinhas, peixe ruim,
amigos pescadores lhes dão por trato...

Sorrisos de alegria estão espelhados
nos rostos desses homens tão cansados,
já madrugada cedo no labor...
A rede vinha cheia de pescado
e o barco dessa forma carregado
mostrava a rija fibra/pescador...

Eis quando a "calima"*, de repente
se fecha assim num sopro, estranhamente,
soando está "sarronca"** em tom aflito...
Há barcos ´inda fora por entrar
no porto salvador daquele mar
a angústia é transformada em alto grito...

Neptuno vinca assim, como garante,
que é dele o mando sempre, a todo o instante,
no reino d´água calma ou bem revolta...  
Mostrou-se, desta vez, compadecido,
c´os gritos deste povo em alarido
em preces, porto inteiro, ali à volta...

E entrado foi o barco derradeiro
no porto salvador, como o primeiro,
sardinha prata/viva, em profusão...
O povo e pescadores que horrores padecem
prostrados, de joelhos, agradecem
                                                                        à Santa Candelária em gratidão...

E à virgem negra vão surgir benesses
pagando assim promessas feitas preces
que a Santa Candelária ouvira as gentes...
Poseidon, Virgem Negra ou Neptuno,
acharam ser momento oportuno
p’ra deixar os canários tão contentes...

E aos primeiros alvores da manhã
aqui respiro a aragem fresca e sã
que a maresia impregna bem no ar...
Sentado na varanda vou olhando
os barcos, um a um, que vão zarpando
saindo p´ra um mar chão, a navegar...

E a cada dia a faina se repete
um, dois, dez, quinze, vinte, trinta e sete...
e de repente o mar se enche de gente...
No estender da rede, o coração
augura a fartura desse pão
a cada dia em luta persistente...


Manuel Maia


* Calima --- é o nome que os canários dão à tempestade de areia vinda do Sahara e que por vezes atinge a ilha.
** Sarronca --- é o sinal sonoro dado à navegação aquando do calima ou nevoeiro.


sábado, 14 de novembro de 2015

P724: ENTREGAS A LONGO PRAZO...

UMA CRUZ DE GUERRA... 41 ANOS DEPOIS


Transcrevemos um texto que nos foi enviado pelo Manuel Ramos, um camarigo que tem participado nos nossos convívios em Monte Real, integrado no grupo que ali se costuma deslocar ido de Torres Novas:

“Meus amigos, ontem foi um dia gratificante para mim. Foi concluído um processo iniciado há 40 anos.
Em cerimónia militar realizada junto ao monumento do combatente em Belém, foi imposta uma cruz de guerra ao meu amigo Fanha, que lhe tinha sido atribuída em Janeiro de 1974.
Fui testemunha e “actor” dos acontecimentos que lhe deram origem e acompanhei de perto todos os passos deste processo.
Em anexo fica a ordem do exército Nº 10 de 30 de Abril de 1974 onde se encontra registada a condecoração.
                                                                                                                       M. Ramos”

O Carlos Pinheiro disponibilizou-nos a notícia saída no “Jornal Torrejano” no passado dia 11 de Novembro, referindo a imposição da Cruz de Guerra ao nosso camarigo Alexandre Fanha, em que faz ainda referência à Ordem do Exército nº10 de 30 de Abril de 1974, onde se encontra registada a condecoração.
“Jornal Torrejano Sociedade --- 2015-11-10 
Alexandre Fanha Constantino, torrejano natural da Meia Via, vai receber quarta-feira a cruz de guerra que lhe foi atribuída em Janeiro de 1974 e que, por incidências relacionadas com o 25 de Abril, acabou por não lhe ser entregue.
Alexandre Fanha, que foi atleta da equipa sénior do Clube Desportivo de Torres Novas e que actualmente trabalha no ramo da instalação de equipamentos de televisão, encontrava-se em Moçambique desde o início da década, cumprindo o serviço militar no Exército Português. Com formação de comando, veio a integrar a única formação de GE’s (grupos especiais) então constituída para realizar e dar apoio a operações especiais da tropa portuguesa, e foi ao serviço dessa companhia, mas integrado numa outra regular, que Alexandre Fanha realizou actos de coragem e bravura que lhe valeram, em Janeiro de 1974, a atribuição da cruz de guerra.
Com o 25 de Abril e as complicações político-militares que acabaram por fazer-se sentir em todas as ex-colónias portuguesas, o militar torrejano não recebeu a condecoração, mas quarta-feira, na praça do Império em Belém, em acto comemorativo do dia do Armistício e diante das mais altas patentes políticas e militares, Alexandre Fanha vai finalmente receber a cruz de guerra.
Acabados os conflitos militares que envolviam Portugal há mais de 40 anos e não tendo estado o país envolvido directamente em qualquer outro cenário de guerra, pode afirmar-se que, para já, o torrejano Alexandre Fanha vai ser o último português a receber a distinção atribuída por valorosos feitos militares.”

Deixamos-vos um comentário final do Carlos Pinheiro sobre esta cerimónia, que deveria ter merecido um mínimo de atenção da Comunicação Social:
“Sabes, o Fanha, finalmente recebeu ontem a CRUZ de GUERRA que lhe tinha sido atribuída em Janeiro de 1974.
Mas não consigo encontrar noticias na Comunicação Social. Esteve lá o Presidente da Liga dos Combatentes, o Ministro da Defesa, o CEMGFA e muitas outras entidades. Mas a Comunicação Social parece não ter dado importância à cerimónia ou então... nem sei o que dizer.

                               Um abraço.   CP”



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

P723: JÁ ULTRAPASSÁMOS AS 80 INSCRIÇÕES

Caros camarigos

Com algumas confirmações de inscrições que aguardamos, e que são necessárias porque essas inscrições não foram totalmente esclarecidas, atingimos praticamente as 85 inscrições pelo que, a partir de agora, todas as inscrições que chegarem serão registadas numa lista de espera, por ordem de chegada, aguardando eventuais desistências.

Abraços a todos
Tabanca do Centro

P722: NOTA IMPORTANTE SOBRE O ENCONTRO DE NATAL

.
.
Caros camarigos

As inscrições para o nosso almoço de Natal “dispararam” e já vamos com mais de 60.

Assim sendo vimos pedir o seguinte:

1 – Que o mais rapidamente possível se inscrevam, sobretudo aqueles que costumam estar nos Encontros da Tabanca do Centro.

2 – Não inscrevam familiares, a não ser, obviamente as mulheres dos combatentes, (uma por cada combatente, claro!!!), para que não faltem lugares para os camarigos que costumam vir aos nosso encontros.
Os que já estão inscritos até esta data, obviamente, foram considerados inscritos.

Poderemos fazer uma lista de espera para inscrições de outros familiares, que poderão ser depois considerados inscritos, caso não atinjamos o número limite com os combatentes.

3 – Não façam inscrições, escrevendo coisas do tipo: “Manuel Silva mais 2 pessoas”.
Precisamos sempre do nome das pessoas e sobretudo saber se são combatentes e onde fizeram as suas comissões militares.

Estas “regras” valem também para o próximo encontro em Janeiro que comemora o 5º aniversário da Tabanca do Centro.

Abraços e cá os esperamos

Tabanca do Centro.
.
.

P721: 48º Encontro da Tabanca do Centro - 30/10/2015


.
Fotografias do Miguel Pessoa
.
.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

P719: SENSAÇÕES POR MUITOS JÁ EXPERIMENTADAS...

P’rá vala, p’rá vala!


“P’rá, vala, p’rá vala!”

O grito fere-me os ouvidos,
arrefece-me o sangue,
faz-me tremer o coração,
mas impulsiona-me como uma mola,
e num salto deixo a cama.

Mergulho na escuridão,
ouço passos a correr,
mais do que gente a gritar
sinto o meu coração a bater.

Mergulho numa coisa estreita,
como se de uma cova de cemitério se tratasse,
e ouço de imediato uma voz,
“porra que me pisaste!”

Os rebentamentos sucessivos,
parecem explodir em cada coração,
e ouvem-se apreciações em voz alta:
“esta foi perto!”
ouviu-se aqui a rebentar,
e logo uma outra voz
onde o humor vence o medo:
“não há problema,
                                                                         os gajos não conseguem acertar!”

O cheiro acre da pólvora
toma conta de tudo e todos,
e há vozes que se cruzam,
com os projécteis no ar:
“calma, pessoal, calma,
isto está quase a acabar!”

A camisa encharcada em suor,
o pó agarrado à cara,
ou está muito calor,
ou o suor é do medo!

Ouço uma voz que me chama,
aos gritos,
por cima do barulho infernal:
“meu Alferes, porra,
meu Alferes!”

Volto-me para ver quem é,
e…
caio da minha cama!


Joaquim Mexia Alves