quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

P589: BOM ANO NOVO 2015

E aí vem um Novo Ano!

E nós fazemos promessas disto e daquilo, e nos primeiros dias às vezes até começamos mudanças, e depois continuamos a tentar tirar da vida, o melhor que a vida tem.

E para a Tabanca do Centro o melhor que a vida tem, (para os camarigos, claro), é juntarmo-nos, falarmos, discutirmos, (concordando ou não uns com os outros), comermos à volta da mesa e no fim despedirmo-nos, (esquecidas as discussões), com abraços até ao próximo mês.

Mas este próximo mês traz-nos duas novidades!

A primeira é o princípio de um Novo Ano, o de 2015, e por isso queremos confiar num futuro melhor, sem deixarmos de recordar o passado.

A segunda é o 5º aniversário da Tabanca do Centro, razão mais do que suficiente para uma grande comemoração, que será avisada em devido tempo.

Sinceramente, do fundo do coração, queremos desejar um Novo Ano cheio daquilo que todos mais precisarem, mas sobretudo com votos de que Portugal olhe para os seus combatentes com olhos de gratidão, muito especialmente para aqueles que, tendo dado a sua vida para servir a Pátria, agora vivem tempos difíceis, muito difíceis, mormente aqueles que vivem na rua sem nada nem ninguém, abandonados até pela Nação que serviram.


A todas as Tabancas irmãs, locais de convívio virtual ou real, o abraço envolvido nos votos de um Bom Ano Novo para todos.

Feliz 2015!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

P588: PARA O PESSOAL SE ORIENTAR...


CALENDÁRIO DA TABANCA DO CENTRO PARA 2015

Como referimos na última revista "Karas", os participantes no último convívio da Tabanca do Centro foram surpreendidos com a oferta de um calendário de mesa para 2015, com as "cores" da nossa Tabanca. 

Não referimos então, mas fazemo-lo agora, dando destaque ao cuidado que o Paulo Moreno, autor desta iniciativa, teve ao aumentar o tamanho do dito calendário, tendo em atenção algumas limitações da visão que se começa a notar em alguns...

Na imagem abaixo podem ver a diferença de tamanho das versões 2014 e 2015, esta última muito mais bondosa para as nossas limitações visuais.


Agora, já não devem precisar de procurar os óculos para saberem a quantos andam...

Para os que não estiveram presentes e pretenderem "fabricar" um calendário, basta fazer o "save" da imagem abaixo (JPG). Não ficará com o tamanho do calendário original, que tinha dimensões superiores ao formato A4. Esta imagem que agora incluímos foi ligeiramente reduzida e poderá ser imprimida numa impressora normal, numa folha A4 (recomendamos uma gramagem da folha de 120 mg mínimo). 




Poderão ainda contactar-nos para tabanca.centro@gmail.com ou fazerem o pedido na caixa de comentários deste poste e enviar-lhes-emos um ficheiro do mesmo calendário em formato PDF (abre com o Adobe Reader) ou JPG, como preferirem. 

Não deverão ter problemas pois a figura já vem com instruções de montagem... Como referimos atrás, apenas aconselhamos a utilização de uma folha com uma gramagem mínima de 120 mg, para o calendário não se ir abaixo...

Miguel Pessoa



segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

P586: ERA ASSIM ANTIGAMENTE...

RECORDANDO O NATAL DAQUELES TEMPOS

Já lá vão muitos anos, mais de sessenta, mas é bom puxarmos pela memória para recordarmos como era o Natal nessa época do após guerra.

Com mais ou menos frio próprio da época, parecia que toda a gente andava empenhada em dar algum brilho a essa quadra diferente.
Os miúdos andavam a procurar os melhores sítios para apanharem o musgo para o presépio. E encontravam-no naquelas oliveiras muito grandes e já velhas, mas também nas ribanceiras. Cada um procurava o melhor, mas também ajudava os seus amigos na mesma busca e recolha.

As pedras, para se fazer a gruta e as elevações do terreno, essas facilmente se encontravam em qualquer monte. Era só escolher as que melhor se podiam aplicar, e levar para casa.

As figuras já existiam de anos anteriores. Era o Menino Jesus, S. José e Nossa Senhora, mas também a vaca e o burro para aquecerem o Menino. No alto da gruta, para além dos Arcanjos e da Estrela, também lá estava o galo para cantar ao amanhecer do dia. Mas o presépio também tinha o pescador e, claro, os pastores e o seu gado, sem esquecer o cão de guarda. Também lá estavam as casinhas, os ribeiros, as pontes e a igreja e ao longe também já se viam os Reis Magos, a serem guiados pela estrela, e que haviam de chegar à gruta no dia de Reis para darem ao Deus Menino as suas prendas

Era uma festa, especialmente para a gente pequena, que se renovava todos os anos.

Naquela altura ainda não tinham chegado as modernices do Pai Natal nem a Árvore de Natal. Era o presépio e a bota, ou o sapato, na chaminé a ver se o Menino Jesus trazia alguma prenda.

De facto já se sonhava com as prendas, mas nada do consumismo dos últimos anos. Os brinquedos eram de madeira ou de lata e era um consolo quando um caía na bota. Mas as melhores prendas acabavam por ser as meias, as camisolas ou algum boné para a cabeça porque de resto já havia a certeza do “rancho melhorado” lá em casa, onde também não faltavam os fritos.

À meia-noite havia a Missa do Galo na Igreja Matriz. Mas antes disso já o adro da igreja estava pejado de lenha, de árvores inteiras, para que a fogueira durasse até de manhã. Era a tradição.

A Missa era rezada com uma solenidade própria dos dias festivos da Igreja. E nessa noite a igreja enchia até não levar mais gente. Sentia-se algo de diferente. Mesmo com o frio da noite, cá dentro, sentia-se um calor humano, que não era derivado do calor da fogueira.

Em casa, as mães e as avós também tinham andado nos últimos dias numa lufa-lufa constante. Eram as limpezas da casa, era a procura da galinha para servir de prato forte no dia de Natal. Era a procura do bacalhau que também não podia faltar na noite da Consoada - e o “fiel amigo” nessa altura andava muito fugidio. Mas sempre se arranjava algum. As couves também não faltavam e o belo azeite da serra, para regar o prato, também estava presente.

Por vezes, enquanto as mães preparavam os fritos, também se arranjava tempo para se grelhar uma febra de porco nas brasas da chaminé. Era uma noite diferente em tudo.

A garrafa de tinto também compunha a mesa, se bem que os mais novos não lhe tocavam.

O maior trabalho era das mães. Era todo o trabalho da casa e da cozinha mas especialmente a preparação das massas para os fritos. Era um trabalho interessante que os mais novos nunca perdiam de vista. Amassar, levedar, estender e depois fritar os coscorões, muito finos e estaladiços que eram polvilhados com açúcar pilé com um pouco de canela, mas também as filhoses e as velhoses, depois de amassadas e preparadas para a fritura, também eram polvilhadas com o mesmo açúcar e a mesma canela. Depois tudo era colocado, separadamente, naqueles alguidares grandes de barro vidrado e tapados com um pano de linho para mostrar o esmero da casa e da cozinheira, de onde depois das refeições, durante uma série de dias, se tiravam alguns fritos para servir de sobremesa.

Voltando ao final da Missa, que terminava sempre com a cerimónia de se beijar o Menino, já passava da uma hora e os mais pequenos, apesar de alguns terem dormido uma sesta de tarde, já sentiam o peso do sono na cabeça e nos olhos. Mas ao saírem da Igreja lá estava a fogueira, bem acesa a despertar-lhe a curiosidade, já que se tratava de acontecimento raro.

Mas os olhos tinham que estar ainda abertos para, quando se chegasse a casa, ainda se ir ver a bota e se havia mais alguma coisa para além do tal par de meias.

No dia de Natal voltava a haver Missa ao meio-dia. A fogueira do adro ainda ardia mas as chamas já eram pequenas. Lá dentro, as cerimónias religiosas voltavam a acabar de novo com o beijar do Menino. Cá fora, se o tempo não ameaçasse chuva, já se mostravam as coisitas novas que o Menino Jesus tinha posto na bota ou no sapatinho.

Depois era o almoço. Começava sempre com uma canja de galinha, feita com sopa de pão e um raminho de hortelã até que depois vinha a galinha corada para a mesa, com a travessa do arroz corado no forno, arroz doce para compor a refeição, e depois os fritos da época e da véspera.

Era o Natal dos simples. Mas era saudável e sempre esperado pelas crianças.

Carlos Pinheiro


domingo, 21 de dezembro de 2014

P585: NA ÉPOCA NATALÍCIA...

UM CONTO DE NATAL


Lá fora a escuridão permanecia, naquela cidade sem luz, destruída desde o início da guerra. Aqui e ali, o céu era cruzado por luzes brilhantes que nada tinham a ver com as estrelas do céu, mas sim com o rasto de balas “tracejantes” disparadas a uma velocidade assustadora.

Parecia que naquela noite era ainda maior o número dos disparos, das luzes que rasgavam o céu, do barulho ensurdecedor das granadas que explodiam numa cadência infernal mas que, dada a rotina da guerra, já faziam parte da vida de cada um.

Numa casa simples, toda marcada exterior e interiormente por marcas de rajadas de balas disparadas por insistentes metralhadoras, uma pequena família, (os pais e dois filhos), acotovelavam-se, agachados no chão de uma pequena sala, para serem assim alvos menos expostos à insanidade daquela guerra.

No meio deles, colocadas no chão, estavam algumas figuras moldadas em barro, nas quais se podia distinguir, um recém-nascido deitado nuns bocaditos de palha, uma figura feminina, outra masculina, e algo que fazia lembrar, vagamente, um burro e uma vaca.

Olhavam uns para os outros, e no seu olhar transparecia um medo, quase um terror, que os irmanava e os fazia sentir ainda mais dependentes uns dos outros.
O silêncio entre eles era avassalador, e o pai insistia mesmo nesse silêncio, sobretudo quando na rua se ouviram passos pesados e apressados, que pararam junto à porta de sua casa.

O pai então olhando para todos, fez um gesto para darem as mãos, e sussurrando, o mais baixo que lhes era possível, começaram a recitar o Pai Nosso.

Quase se podia ouvir o silêncio, e, no entanto, dir-se-ia que aquela oração rezada assim era uma melodia que enchia todo aquele espaço, se tornava numa luz incompreensível que tudo transformava, e a verdade é que, quando se olharam nos olhos, o seu olhar já não reflectia o medo, o terror, mas uma paz imensa, a paz de quem sente que está protegido, e que, aconteça o que acontecer, essa protecção é maior do que todo e qualquer mal que possa bater à porta.


Inclinaram-se uns para os outros, e como num suspiro, murmuraram ao ouvido de cada um: Santo Natal, na paz e no amor do Senhor Jesus, que se faz Homem como nós!

Nesse momento a porta abriu-se com estrondo, e um homem alto, com umas barbas hirsutas, um pano envolvendo a cabeça, um olhar de fogo e uma metralhadora nas mãos, apareceu na soleira da casa.

Os quatro, sem nada combinarem entre si, disseram ao mesmo tempo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade!

O homem olhou, o olhar enterneceu-se num fugaz momento e, voltando-se para fora, gritou fechando a porta: Não está ninguém. A casa está vazia. Os infiéis que aqui viviam já fugiram!

Dentro da casa, olhando para fora, toda aquela família parecia ver agora nos traços das balas que rasgavam o céu, a estrela misteriosa que guia os homens ao encontro do Salvador da Humanidade.

Marinha Grande, 25 de Novembro de 2014
Joaquim Mexia Alves


sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

P584: JÁ DEPOIS DO 25 DE ABRIL, EM ANGOLA...

FIZ OS MEUS 22 ANINHOS DESTACADO EM PAREDE

Foi em Agosto de 1974, já depois do dia 25 de Abril, dia dos cravos cá no Puto.

Eu estava de reserva de piquete quando o Alferes chegou ao pé de mim e me deu ordens para eu preparar tudo com urgência; disse-me que íamos ser destacado para uma pequena povoação de nome Parede, que eu conhecia como as minhas mãos; ia com um grupo formado com alguns atiradores e alguns sapadores da minha companhia CCS, e, alguns atiradores do grupo da companhia adida da nossa 3ª companhia.

Ninguém sabia por quantos dias íamos, só soubemos que tínhamos que ir proteger a população daquela zona pois um grupo IN andava a ameaçar a população branca e negra deixando papéis por todo o lado a amedrontar tudo e todos; sabendo isso, o nosso comandante deu ordens de se formar um grupo e avançarmos.

Quando chegámos à povoação fomos recebidos com abraços, beijos e lágrimas de todo aquele povo; tanto brancos como negros prometeram não nos faltar com nada durante a nossa estadia junto deles e, em alta voz pediam para não lhes virarmos as costas. Pediram para nós militares ficarmos instalados um em cada casa deles, civis, pois assim sentiam-se mais seguros. Claro que não pudemos aceitar, tínhamos que cumprir ordens, mas, não deixaram que montássemos as tendas, ofereceram-nos a pequena mas luxuosa escola primária que colocava qualquer uma do Puto a um canto - oferta que aceitámos.

Quando entrámos na escola reparámos que tinham colocado colchões e roupas para todos os militares. Disseram-nos para não comermos as rações de combate, que, toda a população branca e negra se tinha reunido e feito uma escala para nos fazerem todas as refeições, e foram apresentar-nos o nosso refeitório, uma enorme sala de um senhor branco que tinha uma grande pecuária. Fomos bem recebidos e bem tratados na nossa estada naquele destacamento da povoação de Parede; foi a primeira vez que comi moamba de galinha e um belo prato de funje feito por uma senhora nativa da sanzala vizinha de Parede.

Todos nós militares partilhávamos as tarefas, mas tivemos o cuidado de oferecer tudo, mas mesmo tudo à população nativa, pois, as nossas refeições estavam reservadas na casa do tal dono da pecuária. No nosso grupo militar estava um colega que na vida civil trabalhava num talho, aproveitámos para fazer para os nossos anfitriões uns petiscos à maneira cá do Puto que eles desconheciam - entrecosto grelhado, costeletas e bifes.

Os meus 22 aninhos foram assim passados nesse destacamento, dia 8 de Agosto de 1974. No dia anterior, dia 7, na hora do jantar, na sala onde todos nós militares e civis brancos e negros nos encontrávamos a comer, sem qualquer intenção da minha parte calhou eu dizer que fazia 22 anos no dia seguinte. Parecia que ninguém tinha ligado mas, no dia seguinte – dia do meu aniversário - logo de manhã, o nosso sentinela que fazia o reforço à entrada da rua principal da pequena aldeia foi alertado que ia haver uma enorme surpresa, informação que ele transmitiu ao nosso Alferes. Este alertou-nos pensando que era coisa ligada ao IN; foi então que apareceu o dono da pecuária com um enorme porco e fez a oferta - era para nós, para festejarmos o aniversário do Enfermeiro (que era eu).

Foi lindo ver toda aquela população nativa a festejar os meus 22 aninhos. À noite houve direito a um belo bolo feito pela população e um baile Batuque mas foi sol de pouca dura; a meio da festa notou-se um mal-estar de alguns nativos, que fugiam e gritavam de dor como se tivessem sido agredidos.

Nós militares, sempre com as armas na mão saímos da zona e fomos fazer ronda, tendo visto alguns negros a fugir em direcção ás matas com armas na mão. Viemos a saber que alguns elementos do tal grupo IN que fazia ameaças dormiam  naquela sanzala e tinham aproveitado o momento alto da festa (pensando que os militares se encontravam bêbedos) tentando armar confusão com a população por esta estar do nosso lado. Saímos logo no encalço deles mas, como de noite todos os gatos são pardos, mesmo levando alguns habitantes da sanzala que os conheciam acabámos por não encontrar nenhum dos tais que pertenciam ao IN.

Passados alguns dias, depois de termos estabelecido a paz  naquela zona, despedimo-nos de toda a população, tendo ficado todos, mas mesmo todos, a chorar e a pedir para ficarmos. Mas não podia ser, tivemos que os deixar e voltar para o nosso Quartel de Quibaxe.

Na despedida agradeci do fundo do meu coração e de lágrimas nos olhos tudo o que aquele povo da zona de Parede fez por nós nesses dias.

Só sei dizer que, foram os melhores momentos que passei na minha comissão nos Dembos Norte de Angola, afinal nem tudo foi mau na minha estadia em Angola.


Manuel “Kambuta dos Dembos” Lopes

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

P583: DAS CRÓNICAS DO JERO

Duas estórias do JERO, publicadas no seu blogue e por nós retiradas... com a devida vénia




1- A farmacêutica de serviço dormia profundamente quando a campainha tocou. Acordou estremunhada e olhou para o relógio. 

Eram quase 4 da manhã. Levantou-se e preparou-se para atender o cliente.

Era um homem de meia idade que disse ao que vinha:- estava com uma insónia terrível e queria comprar um medicamento que o fizesse dormir.

Receita? Não tinha.
- Se não tem receita vou ter que lhe vender uns comprimidos à base de “alprazolam”, como “venda suspensa”, e depois traz-me a receita.

- Quanto custa: 5 euros.

- Cinco euros? Chiça ! A esse preço se os comprasse já não era capaz de dormir. 

Voltou as costas e deixou a farmacêutica sem palavras. Sem palavras e sem sono. Até de manhã já não conseguiu “pregar olho”.

2- Dois jovens com idades compreendias entre os 17 e 18 anos entraram na Farmácia e dirigiram-se à empregada mais jovem .

Com evidente à vontade e descaramento, disseram em voz alta e “com bom som”ao que vinham. Queriam preservativos.

Fez-se um silêncio entre clientes e empregados que os rapazes bué sorridentes … gozaram.

- E qual o tamanho, perguntou a empregada.

Aí os rapazes entreolharem-se e foi a vez deles ficarem calados. E a coçar a cabeça.

A empregada, com um sorriso rasgado, completou a pergunta: 
- Qual o tamanho… da embalagem?

O mais velho dos dois jovens recuperou o uso da palavra para responder que queriam o tamanho “normal”.

Foram atendidos e saíram “pianinho”.

«Queriam lã e saíram tosquiados».

Acontece ao mais pintado.

JERO

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

P581: A LIÇÃO DO FOGO


Na sequência do nosso convívio de 31 de Outubro, recebemos do nosso camarigo José Luís Malaquias palavras de apreço pela nossa Tabanca do Centro, a que acrescentou ainda um ficheiro Powerpoint intitulado “A lição do fogo”.


Aqui fica o texto deste nosso camarada:

“Caros Camarigos Manuel Reis, Joaquim Mexia Alves e Miguel Pessoa,
Reencaminho um correio que hoje recebi dum Amigo e que acho que se adapta àquilo que sinto ao ir aos encontros da Tabanca do Centro. Tirando o Carlos Prata e o Manuel Reis, não encontro lá ninguém conhecido, como era minha expectativa quando decidi aceder ao convite deste último para participar nos encontros da Tabanca. Todavia, começo a sentir que me faz bem ir, para conversar com os que têm um passado comum em determinada altura da sua juventude, cheia de energia e dádiva ao próximo…
É isto que vos queria dizer e que, em meu nome, agradeço terem criado a Tabanca e continuarem a alimentar a sua chama! Bem hajam!
Um abraço,
José Luís Malaquias
(do trio de Aveiro!)”


Na impossibilidade de reproduzirmos no blogue o ficheiro que acompanhava este mail - porque para tal não chegam os nossos conhecimentos informáticos… - com algum trabalho preparámos o slideshow que se segue, que reproduz muito razoavelmente o que é apresentado naquele powerpoint.

Pensamos que o seu conteúdo vem ao encontro da ideia que presidiu à formação da nossa Tabanca do Centro, como bem refere o José Luís Malaquias, por isso aqui fica.

A Tabanca do Centro



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

P580: AINDA O LIVRO DAS NOSSAS ENFERMEIRAS PARAQUEDISTAS

Num texto recente em que reportámos o lançamento do livro “Nós, Enfermeiras Paraquedistas”, referimos que o texto lido pelo TCor. José Aparício no decorrer dessa sessão tinha calado fundo no coração de muitos dos presentes. Ficámos por isso de o reproduzir neste blogue logo que nos fosse disponibilizado. Aqui fica a referida apresentação, com a devida vénia ao autor.
   
TEXTO LIDO PELO Ten.Cor.Inf. JOSÉ APARÍCIO
NA APRESENTAÇÃO DO LIVRO
“NÓS, ENFERMEIRAS PARAQUEDISTAS”
NO AUDITÓRIO DO EMFA, EM ALFRAGIDE, EM 26NOV2014



Poderá parecer estranho a todos os presentes que a apresentação deste livro vá ser feita por um militar do Exército. Não conheço o que motivou o convite que me foi formulado, que muito me honra, e que agradeço. Presumo que a condição de ex-combatente tenha sido a determinante, já que em todos os Teatros de Operações, as tropas no terreno, paraquedistas incluídos por maioria de razão, foram as testemunhas privilegiadas, e especialmente os grandes beneficiários, das actividades na guerra das enfermeiras paraquedistas portuguesas, que nesta obra importante e tão vivida, tão bem relatam, com uma sensibilidade e delicadeza comoventes.

De tudo o que fizeram por nós, todos os combatentes ainda hoje têm uma lembrança muito viva, e que nunca esquecem. É de todos, o sentimento de uma enorme dívida de gratidão que toda uma geração vos deve, e que enquanto vivermos sempre lembraremos. Sinto por isso, a responsabilidade acrescida de, em seu nome, dizer aqui o essencial do que vai na alma e no coração de tantos portugueses que apoiaram em momentos muito difíceis.

Por muitas razões, não sou com absoluta certeza a pessoa mais qualificada e habilitada para fazer esta apresentação. Mas estando hoje aqui para isso, vou fazê-lo sem filtros, como aos velhos tal é permitido, e com todo o coração, seguindo assim o exemplo do que é bem visível nesta obra, desde a capa à última página que escreveram.

Confesso que foi com muita emoção que preparei a apresentação deste livro, que já li e reli várias vezes, para o perceber em todas as suas dimensões. Inclusivamente as que, por razões que se adivinham, as autoras deixaram implícitas e não revelaram completamente; como foram seguramente os desabafos e as súplicas que ouviram de gente em enorme sofrimento físico e também moral. “Não se pode olhar fixamente o sol, nem a morte” como refere o francês, LaRochefoucault. Quando se sente a morte por perto, somos todos mais autênticos, e há sempre, pelo menos, o esforço de deixar uma última mensagem para alguém, mesmo quando as palavras faltam e só os olhos falam; quantas mensagens destas não terão ouvido e sentido estas mulheres portuguesas!

Hoje há já publicados muitos livros sobre a denominada “Guerra do Ultramar”. Nessas obras constam normalmente as vivências e o sofrimento, de toda uma geração que foi chamada a servir a sua Pátria em condições crescentemente adversas. O livro que hoje aqui apresento é um livro único nessa já longa Bibliografia Militar; pela novidade e sensibilidade do assunto tratado, pela sua autenticidade bem manifesta, pela dureza e intensidade dos relatos neles contidos, pelo sentimento e emoção ali sempre presentes, pelas histórias humanas comoventes, até dramáticas, que nele são contadas. Pelo que mostra da guerra que vivemos, na sua face mais cruel, e com pormenores que ainda ninguém tinha ousado assim contar.

Quem estude a guerra a que tivemos de fazer frente, não pode deixar de conhecer, e de sublinhar a importância, de algumas decisões que, atempadamente, o então Secretário de Estado da Aeronáutica, TCor Kaulza de Arriaga e os comandos da Força Aérea Portuguesa tomaram, quando todas as previsões apontavam que “os ventos de guerra” iriam rapidamente chegar às províncias ultramarinas portuguesas. Estranhamente, a maior parte da história publicada ainda nada menciona a esse respeito, pelo que é preciso recordá-las com insistência, para que constem. Refiro-me concretamente às decisões tomadas a partir da segunda metade da década de 50, na preparação para a guerra em África, e que foram: a decisão da construção das infra-estruturas aeronáuticas necessárias para que em todas e em cada uma das províncias ultramarinas, as mesmas estivessem já operacionais quando a guerra eclodiu em cada uma delas; a criação das Tropas Paraquedistas que, quando a guerra começou, tinham já um grau de preparação e de prontidão muito avançadas, e que foram as primeiras forças a chegar às zonas onde aconteceram os terríveis massacres no norte de Angola, e que até ao fim tiveram sempre um desempenho notável; finalmente o mérito, e a ousadia para a época, da criação do quadro das enfermeiras paraquedistas, que depois foram imprescindíveis nas evacuações dos feridos a partir dos próprios locais de combate.

Para além, evidentemente, do desempenho da Força Aérea Portuguesa na guerra, da sua operacionalidade e eficiência com que sempre actuou desde o início até ao seu fim; e com todas as suas componentes e funções, aérea, de transportes, paraquedistas, e de evacuação. Todos nós, os que fizemos a guerra no Ultramar, em terra ou na água, temos da FAP no seu conjunto, dos seus diferentes comandos, dos seus excelentes pilotos e de todos os seus especialistas, a imagem bem vincada que, mesmo em situações limite e nos locais mais isolados e difíceis, sempre nos apoiaram.

Como é bem demonstrado neste livro, a criação do Quadro das Enfermeiras Paraquedistas não foi um episódio e muito menos um pormenor da Guerra do Ultramar. Foi antes um projecto bem pensado, amadurecido, e posto em execução com todo o cuidado e empenho. O desempenho excepcional dos seus agentes, as enfermeiras paraquedistas, justificou-o plenamente, e a todos os títulos; como militares paraquedistas, como enfermeiras profissionais altamente qualificadas, como Pessoas de uma enorme estatura moral e humana.

Logo no início deste seu testemunho as autoras assumem com uma humildade exemplar que este livro não é uma obra literária, e que portanto não tiveram grandes preocupações quanto à forma. Tiveram antes como principal objectivo relatar a sua vivência na guerra, mas também na FAP e no Regimento de Paraquedistas, a que ainda hoje, com muito orgulho e empenho, ainda se reclamam de pertencer. É pelo seu conteúdo que este livro é impressionante; pela humanidade e humildade que põem em cada palavra, pelo sentimento com que descrevem as terríveis situações por que passaram, pela simplicidade como relatam cenas de uma grande violência, como abrem as suas almas e o seu coração e dizem o que pensaram e sentiram em todas as situações da vida que então viveram.

Como o livro contém muitos depoimentos individuais das suas autoras, e que são imprescindíveis para se conhecer o que foi a sua vida e as suas emoções durante os 13 anos de guerra, era impossível evitar algumas repetições. Curiosamente, ou talvez não, o que é mais repetido são os seus comentários sobre a FAP e as unidades paraquedistas, com a manifestação permanente do orgulho que ainda sentem por terem pertencido a esta Instituição e às tropas paraquedistas, e com os seus agradecimentos pelo calor do acolhimento que tiveram, e pelo apoio que sempre sentiram. Como todas referem, “os tempos de Tancos foram uns tempos magníficos”. 
    
Citando o que no início desta obra escrevem, «As autoras assumem-se aqui, neste livro, simplesmente como gente que viveu a dor dos outros, gente igual a tanta gente; ”gente que tratou gente”…». Acrescento, da minha parte, o que os combatentes delas sentiam, “Gente bonita, por dentro e por fora!”, o que hoje ainda se aplica por inteiro e em toda a dimensão. Esta frase foi um comentário de um militar de uma das companhias que comandei numa evacuação dramática como todas foram. A razão que a provocou, foi apenas uma manifestação de carinho e de solidariedade da enfermeira em causa, que depois de embarcar no helicóptero o ferido grave, ainda teve um gesto que calou fundo em todos nós que estávamos perto, e que foi, só, dar um toque nas costas do socorrista do exército que até aí tinha estado a tratar o ferido. É bem verdade que na vida há pequenos gestos que se tornam enormes pelas suas circunstâncias e sentimento, que classificam moralmente os seus autores, e que por isso ficam para sempre com quem os presencia.

Como revelam, a inspiradora da ideia da “Enfermeira Paraquedista” foi uma mulher portuguesa, Isabel Bandeira de Melo, filha dos condes de Rilvas, que desde muito jovem foi uma apaixonada por actividades aéreas. Em França frequentou cursos de pilotagem de aviões e de balões de ar quente e ainda de paraquedista. Nessa sua permanência no exterior conheceu um grupo de médicas e enfermeiras da Cruz Vermelha Francesa que eram paraquedistas e que tinham actuado na então Indochina francesa e na Argélia, como os livros publicados na época referem. Sendo das relações do TCor Kaulza de Arriaga, então Secretário de Estado da Aeronáutica, convenceu-o da bondade da ideia, que depois até foi apadrinhada pelo Presidente do Conselho de então, Prof Oliveira Salazar, que ainda recomendou, a propósito, que a selecção das voluntárias devesse ser feita nas escolas de enfermagem religiosas então existentes. 

Na primeira parte deste livro as autoras relatam-nas as suas vidas até à opção que tomaram de serem enfermeiras, e depois enfermeiras paraquedistas. As terras onde nasceram vão do Minho ao Algarve, e uma delas em Santo Antão, Cabo Verde. Representam o Portugal autêntico, com as suas diferenças ainda hoje prevalecentes entre os residentes dessas várias regiões do País. Descrevem de uma forma muito simples, mas muito completa e objectiva, como era a sociedade portuguesa nesses tempos já longínquos. E não esquecem nenhum dos seus aspectos mais relevantes, como a extrema pobreza de então em largos estratos da população, a imensa iliteracia reinante, a enorme pressão sobre os costumes e as mentalidades, sobretudo nas aldeias. Como referem, desde cedo aprenderam a viver com muito pouco e com dificuldades, o que, reconhecem, lhes granjeou uma grande capacidade de resistência às adversidades, que lhe foi útil face às muitas dificuldades que depois tiveram de enfrentar.

Lisboa era então vista pelo Portugal profundo como o “antro do vício” onde os riscos para uma rapariga nova, bonita e sozinha, eram enormes; ser então enfermeira, e ter trabalhar de noite, era um enorme perigo; ser paraquedista e viver num quartel no meio de homens, era hipótese impensável. Percebem-se muito bem as dificuldades que tiveram que ultrapassar; primeiro junto das suas famílias, o que contam com uma grande ternura, depois nas suas aldeias e na sua roda de amigos. Além disso tiveram que enfrentar imensos tabus, e assim contrariar o que era considerado o papel tradicional da mulher na sociedade portuguesa. Foram por isso notáveis pioneiras na luta pela emancipação da mulher, com a força da relevância que tiveram pelo seu extraordinário desempenho, em todos os aspectos, durante a guerra do Ultramar.

Depois de terem tomado como opção de vida a enfermagem, fizeram o seu caminho conforme as habilitações que então tinham, mas principalmente conforme as possibilidades financeiras dos seus pais. Ao tempo havia 2 cursos de enfermagem, um de Auxiliares de Enfermagem menos exigente na escolaridade já feita, o outro, mais completo e mais longo, e com mais anos de escolaridade de exigência. Revelando a sua garra e a sua determinação algumas das já Auxiliares de Enfermeiras, conseguiram tirar depois o Curso Geral de Enfermagem com o dinheiro ganho no exercício da sua actividade, e com o sacrifício do seu merecido descanso.

Eram já enfermeiras profissionalmente bem preparadas, experientes, e especialmente motivadas, quando em 26Mai61 as primeiras onze voluntárias seleccionadas se apresentaram em Tancos para o primeiro curso de enfermeiras paraquedistas. É muito interessante ler as suas impressões sobre a sua entrada no BCP, o ambiente amigo e respeitoso que encontraram e sempre ali tiveram, as enormes dificuldades físicas e psicológicas que tiveram valentemente de ali vencer, o muito esforço físico a que foram submetidas e a que não estavam habituadas, as muitas nódoas negras, a torre de saltos, os seus medos, os saltos que cumpriram galhardamente, os campos do Arrepiado, o Tejo e as preocupações de nele não cair.

Através  deste livro percebe-se bem como foi cuidado e acarinhado pela FAP este projecto. Primeiro pelo conceito aprovado, depois pelo rigor posto na sua aplicação, finalmente pelo continuado acompanhamento do seu desenvolvimento introduzindo os ajustamentos que a realidade foi depois aconselhando. A escola de enfermagem escolhida para efectuar a selecção e a angariação de potenciais voluntárias foi a Escola das Franciscanas Missionárias de Maria, na altura uma escola de enfermagem muito prestigiada. Após serem seleccionadas, apresentaram-se em 06Jun61 em Tancos onde durante 12 semanas fizeram a normal formação de paraquedistas, um treino duro que lhes foi ministrado com exigência. Finalmente em 08Ago61 receberam com reconhecido orgulho e entusiasmo a boina verde e o brevet de paraquedista que tanto ambicionavam. Logo de seguida, os primeiros cursos estagiaram nos serviços de Urgência do Hospital de S José e no Hospital Militar Principal onde nessa altura já havia feridos de guerra evacuados de Angola. Depois, o estágio passou a ser feito nos Açores no Hospital da FAP até 1968; nos últimos anos o estágio passou a ser realizado já em operações, sendo acompanhadas nas primeiras evacuações por outra enfermeira já experiente no local.

Veio então a guerra. As primeiras a aterrar em África chegam a Luanda em 12Out61. A partir daí e até ao seu fim estiveram sempre presentes em todas as situações delicadas. Primeiro no desastre do Chitado em 16Nov61, na muito penosa identificação dos cadáveres carbonizados que ali encontraram, e na posterior assistência às famílias dos mortos e no seu acompanhamento no regresso a Lisboa. Em Dezembro de 1961, quando da invasão dos territórios portugueses da India, foram deslocadas para Karachi onde estiveram cerca de 2 meses a assistir as mulheres e crianças entretanto evacuadas daqueles territórios. Depois, e até ao fim de 1974, estiveram presentes em todos os locais onde a guerra foi mais intensa e dura.

Em Angola a guerra já se tinha entretanto iniciado; na Guiné e Moçambique eclodiu nos anos seguintes.
Face ao sucesso que constituiu o primeiro curso de enfermeiras paraquedistas, e à sua rápida e fácil adaptação ao ambiente operacional, extinguiram-se os receios até aí existentes quanto à utilização de mulheres na Instituição Militar. E assim outros cursos se lhe seguiram, agora já abertos a voluntárias provenientes de todas as escolas de enfermagem do País.

Até ao fim, estiveram presentes em todos os locais onde a guerra foi mais intensa e dura. E também estiveram nos aviões de longo curso da FAP que transportavam feridos do Ultramar para os Hospitais Militares de Lisboa. Estes aviões eram autênticas enfermarias voadoras, onde as enfermeiras tinham a responsabilidade de manter as funções vitais dos feridos, durante viagens muito longas e prolongadas sobre a África e o oceano Atlântico. Mas também controlar a ansiedade dos feridos e os problemas psicológicos de muitos perante o momento terrível de, naquelas condições de diminuição física, quase sempre para o resto da vida, aparecerem às suas famílias que ansiosamente os esperavam em Lisboa, às horas sempre tardias de chegada dos aviões.

A guerra do Ultramar no seu conjunto foi extremamente longa, dura e exigente. Recordo que estiveram nela envolvidos cerca de um milhão de portugueses, que nela morreram 8,300 combatentes, da Marinha, do Exército e da FAP, a maior parte em combate. E os feridos foram muito perto de 26,300, dos quais muitos, estropiados e deficientes para a vida, de que não se sabe o número oficial, e que hoje são a prova viva dos horrores de então.

A guerra, qualquer uma que seja, é sempre o mal absoluto, em que o sacrifício, o sangue, o sofrimento, as feridas monstruosas, e as terríveis mutilações estão sempre presentes. Foi com todos estes horrores, na circunstância os mais duros e dolorosos, que as enfermeiras paraquedistas portuguesas quase diariamente se confrontaram durante 13 anos. Sem um lamento, sem um desfalecimento, sem qualquer apoio psicológico exterior, valendo-se apenas dos mecanismos de autodefesa que foram criando, e do muito convívio e apoio dos seus camaradas da FAP e paraquedistas nas instalações que ocupavam.

Como detalhadamente descrevem, as evacuações efectuadas a partir dos locais de combate foram sempre situações complicadas. Onde correram enormes riscos – que nunca mencionam por modéstia - mas que era a constante nessas situações, com muitos tiros e rebentamento de granadas no local. As imagens vivas, que ainda hoje perduram perante nós dessas ocasiões, são: a coragem e a perícia do piloto em poisar o helicóptero em sítios que pareciam impossíveis, ou aterrar o avião em pistas rudimentares; a enfermeira paraquedista, quase sempre a correr para os feridos, completamente indiferente ao que ao lado se passava, e pondo muitas vezes ordem na confusão eventual existente; e o cabo mecânico com uma maca a ajudar no exterior do meio aéreo. As equipas de evacuações eram realmente equipas magníficas, de coragem, de generosidade, e de fraternidade. Os riscos que correram tiveram consequências: uma das autoras faleceu nas condições trágicas que adiante referirei, outra levou um tiro na cabeça de que felizmente recuperou, outra escapou milagrosamente a um disparo de Strela que passou nas imediações do avião que a transportava; várias estiveram em aterragens forçadas das suas aeronaves em zonas fortemente controladas pelo adversário, no planalto dos Macondes (Moçambique) e na ilha do Como (Guiné). 

Há um aspecto particular que foi de uma enorme importância e que consta aliás de vários depoimentos deste livro. À distância do tempo, ainda hoje me espanto com a percepção que as enfermeiras paraquedistas tão cedo adquiriram de como era penalizadora a existência de militares já mortos no terreno. E como tão generosamente depois resolveram o problema. Assumiram elas próprias o transporte de militares já cadáveres, o que não era permitido pelos regulamentos. Formalizavam o facto com o registo de que a morte tinha ocorrido minutos após a descolagem. Tal só foi possível, certamente, com a cumplicidade dos cabos mecânicos que as acompanhavam, com o fechar de olhos dos pilotos à situação, e com a compreensão posterior dos respectivos comandantes de esquadra.

Em campanha convive-se muito mal com a morte de alguém, que há instantes marchava a nosso lado, que era nosso irmão qualquer que fosse a sua cor ou graduação. Sei por experiencia própria, que é a de muitos infelizmente, quão doloroso é o transportar aos ombros um dos nossos, com o sangue, o vómito, e todos os fluidos de um corpo escorrendo para os camuflados; e com as nossas cabeças cheias de desespero, de raiva e de muitas de interrogações.

Porque em guerra, as enfermeiras paraquedistas, conviveram intensamente com um dos enigmas do nosso destino: apenas uma fracção de segundo nos separa da morte e da eternidade; há momentos de uma enorme intensidade, em que o tempo não existe porque não se pode medir; alguns instantes fugazes parecem uma eternidade, e são anos que nos fazem envelhecer, e que deixam marcas até à morte. Há aliás no livro uma afirmação de uma das autoras, que a partir dos horrores que viu e viveu em todos os TO, conclui: “A guerra era assim! Para quem a faz, para quem a sente, e para quem a presencia… um suplício”.

Os extraordinários depoimentos que escreveram sobre esses tempos são umas magníficas lições de humanidade e de dádiva pelos outros. E não só pelos combatentes portugueses, como também pelos combatentes do PAIGC e da FRELIMO, de que também sempre cuidaram com o mesmo desvelo, carinho e entrega. E ainda nas horas livres apoiando as populações nativas em postos de socorros primários, em aulas de educação sanitária, ajudando nas Missões contra a Lepra e a Elefantíase que existiam em Bissau, brincando com as crianças, esses “olhões brilhantes como sóis” como, com tanta beleza, estão aqui descritos.

O convívio agradável e amigo que sempre tiveram nas unidades da FA que as apoiavam ajudou-as muito a amortecer os dramas e as agruras de cada dia. Por vezes até tinham tempo de fazer renda e ensinar os vários tipos de pontos; houve tempo para cantar e de se divertirem em serões animados. E naturalmente também tiveram tempo de namorar; como era de esperar de gente nova e bonita, cheia de vida, de projectos e de ilusões. Não admira por isso as consequências posteriores, que foram os casamentos felizes de muitas das autoras com paraquedistas, aviadores e mais elementos da Força Aérea.

Como referem com frequência, em muitas situações de enorme tristeza rezaram a Deus e a Nossa Senhora do Ar por aqueles que tratavam. Fizeram-me lembrar, a propósito, um velho provérbio russo “Quem nunca fez a guerra não sabe o que é a oração”.

Alguns dos depoimentos que vão ler são de uma enorme violência e dramatismo como o referente à descrição do acontecido à enfermeira Celeste morta na Guiné, quando atingida por um hélice do avião que a ia transportar para uma evacuação. Uma enorme tragédia. O que descrevem, ilustra ao limite o que é sofrimento humano, e também a grandeza da Amizade, e a admirável dimensão humana de duas das autoras – que todas as outras também teriam tido, se fossem elas que tivessem estado presentes – ao tratarem durante horas do corpo morto da sua Amiga, para que partisse bonita, como tinha sido em vida!

Este vosso livro é, por tudo, mais um serviço extraordinário que prestam à sociedade portuguesa e à sua história. Os que foram combatentes vão lê-lo com uma lágrima nos olhos; os outros portugueses, com o espanto de uma realidade que julgavam nunca pudesse ter acontecido.

Por tudo o que as enfermeiras paraquedistas fizeram, muito mais do que relatam, lembrei-me da frase histórica do PM inglês Churchill aos cidadãos ingleses no final da II WW: “Nunca tantos deveram tanto a tão poucos”.

Todos os combatentes, e não só os que convosco directamente contactaram, nunca esquecerão como nos trataram e apoiaram, tudo o que fizeram por nós, o vosso magnífico desempenho profissional a que tantos devem a vida, ou a melhor recuperação possível de tantas mutilações, a vossa sensibilidade humana sempre presente, os pequenos gestos de ternura e afecto que sempre nos prodigalizaram e que tão profundamente nos tocaram em momentos de enorme sofrimento e dor que nunca se esquecem.

Que Deus vos guarde e proteja, como tanto merecem pelo bem que sempre praticaram.

Lisboa 26Nov 2014, José Aparício, TCor Inf (Ref)




SOBRE A APRESENTAÇÃO DO LIVRO
"NÓS, ENFERMEIRAS PARAQUEDISTAS"

Tivemos a oportunidade de referir anteriormente que os exemplares disponibilizados ao público pela Editora na sessão de apresentação do livro "Nós, Enfermeiras Paraquedistas" foram claramente insuficientes face à procura. Para além de muitos terem adquirido mais que um exemplar (estamos a aproximar-nos do Natal e um livro é sempre um bom presente), vimos vários interessados que traziam encomendas de pessoal a residir no estrangeiro interessados em receber esta obra. E, claro, uma série de gente (como algumas das co-autoras...) acabou por ficar de mãos a abanar...

Contactámos recentemente um responsável da Editora, que nos referiu estar prevista a distribuição do livro nos grandes centros livreiros só para o mês de Janeiro. Uma situação que se lamenta, pois prejudica quem gostava de ler já o livro, aqueles que gostariam de adquirir alguns exemplares para ofertas de Natal e, afinal, a própria Editora, que poderia ter feito um volume de vendas superior ao que possa vir a conseguir após estas limitações iniciais.

Sabemos que estão previstas apresentações do livro no Porto, em Aveiro e em Évora, que só ocorrerão no início de 2015. Sobre estas sessões, bem como a disponibilidade do livro nos escaparates, daremos informações assim que estas nos forem chegando às mãos.